Quinta Revolução Industrial: veja o que esperar daqui pra frente

Você já ouviu falar na Quinta Revolução Industrial? Sabe quando ela deve ocorrer? O que pode mover essa nova transformação? Como já podemos nos preparar? Vamos conversar mais sobre todas essas dúvidas a seguir!

Trabalhar na área de tecnologia sempre significou construir o hoje pensando no futuro. Levando essa ideia para o setor industrial, isso quer dizer que, mais do que aplicar hoje em suas fábricas o conceito de Indústria 4.0, é hora dos gestores de TI do mundo inteiro pensarem também no que vem a seguir.

Apesar do termo Indústria 4.0 ser bastante abordado, as discussões entre profissionais da área já possuem outro foco: a Quinta Revolução Industrial. Neste cenário, as máquinas, sistemas e pessoas devem trabalhar em conjunto, tornando o resultado mais eficiente e o processo, estratégico.

Veja, neste artigo, as transformações que a Quinta Revolução Industrial proporcionará e saia na frente!

Estamos perto de uma Quinta Revolução Industrial?

Para muitos profissionais no setor pode ser estranho falar em uma Quinta Revolução Industrial quando apenas agora estamos sedimentando a indústria 4.0.

Mas pense nisso: desde a Primeira Revolução Industrial, no século XVII, a velocidade com que a tecnologia avança vem encurtando também o tempo entre inovações significativas que mudam o paradigma de produção no mundo.

Esse é um processo contínuo. Da primeira para a segunda grande mudança foi um século inteiro de evolução. Entre a segunda e a terceira, um pouco menos que isso, até a tecnologia da informação e as telecomunicações começarem a impulsionar o ambiente corporativo. Daí para a quarta foram 20, no máximo 30 anos.

Seguindo essa tendência, é hora de se preparar para um novo momento. Segundo a CNI, a indústria brasileira ainda está engatinhando no uso de tecnologia para os meios de produção. De acordo com a pesquisa 73% das empresas entrevistadas utilizam alguma tecnologia, mas menos da metade em etapas de desenvolvimento da cadeia produtiva e novos produtos.

Ou seja, enquanto a maior parte da indústria ainda hesita em aderir a tecnologia, sai na frente quem vai além, aplicando serviços e produtos à disposição em novas técnicas fabris. E, se você parar para prestar atenção, todos os sinais dessa mudança já estão se infiltrando nas nossas vidas e nos nossos trabalhos.

O que moverá a Quinta Revolução Industrial?

É difícil prever o que uma nova onda de inovação trará para a indústria. Em 1970, quando os computadores se popularizaram para uso corporativo, era difícil extrapolar aquela tecnologia para o uso de cloud computing, comum hoje em dia.

A automação das máquinas e das cadeias de produção é uma evolução mais previsível, e qualquer profissional na área já está familiarizado e pronto para isso. Mas o que vai mudar de verdade está na relação entre homens e máquinas, além da forma como a TI pode guiá-las para um novo modelo de produção.

Se você já trabalha com rastreabilidade inteligente, provavelmente tem um sistema que centraliza, integra e gerencia o funcionamento do maquinário. Mas e se esse for menos um papel de gerenciamento e mais uma função estratégica e colaborativa com as máquinas?

É isso que as inteligências artificiais, com uso de Big Data, machine learning e deep learning, prometem. A ideia é que nessa nova indústria esses equipamentos sejam capazes de gerenciar a própria produtividade, além de se adaptarem sozinhos em busca de mais eficiência.

Como ficará o fator humano neste cenário?

O uso de novas tecnologias e inovações não significa que a sua função se torna obsoleta, muito pelo contrário. O papel de quem gerencia uma área de TI nesse cenário é ser mais do que monitor, mas um parceiro de sistemas capaz de alimentar essas inteligências com os dados certos que precisam.

Até porque a customização da indústria terá um papel importante nessa nova revolução. A capacidade de moldar sistemas tecnológicos a necessidades específicas de cada empresa se tornará uma vantagem competitiva significativa.

Se essas inteligências conseguem funcionar por conta própria, elas necessitam mais do que nunca de uma visão estratégica — e é aqui que entra um fator humano muito importante. A capacidade de procurar parcerias e implementar soluções que impactem profundamente no sucesso da indústria é uma oportunidade nas suas mãos.

Ou seja, talvez a união entre pessoas, máquinas e sistemas, num esforço conjunto para encontrar novos meios e processos de produção (como a reorganização de fábricas com equipamentos mais inteligentes e o uso de Internet das Coisas) seja a chave de uma nova revolução!

Você está pronto para esse futuro?

Se as inteligências artificiais e as máquinas automatizadas ainda não chegaram exatamente nesse ponto, você pode se antecipar e sair na frente quando esse novo mercado iniciar sua corrida.

Como isso pode ser feito? Investindo desde já em tecnologia e substituindo o papel de suporte da sua equipe por um foco em gerenciamento de serviços.

Preparar-se para a Quinta Revolução Industrial é assumir a sua importância na tomada de decisões da empresa daqui pra frente. E mais do que isso: é buscar, em saídas tecnológicas, novas formas de ser eficiente por meio de automação, inteligência e colaboração com as máquinas. É hora de começar!

E você, já está transformando a sua empresa de dentro para fora? Conte suas experiências relacionadas ao tema aqui nos comentários!

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *