Inventário de TI: qual a importância de mantê-lo atualizado?

Certamente, você já deve saber o quanto a TI pode — e deve — fazer parte das estratégias de negócio de uma empresa. Para se criar uma base sólida que sustente o crescimento do negócio, é preciso utilizar os melhores pilares da TI que irão fazer parte da estratégia de governança como um todo, sendo um deles o inventário de TI. Mas, afinal, o que é um inventário de TI?

Um inventário de TI nada mais é do que um levantamento de todos os recursos de TI que a empresa possui, tanto de hardware quanto software. Seu levantamento deve fornecer todos os detalhes necessários para facilitar a gestão da TI, como informações técnicas, números de série, data de compra, tempo de garantia e local que estão instalados.

O inventário pode ser feito manualmente, porém, dessa forma, a empresa ainda terá dificuldades em fazer uma gestão eficiente dos seus ativos. Para isso, existem, no mercado, ferramentas que conseguem “varrer” a rede corporativa e entregar aos gestores um inventário de TI sempre atualizado.

Veja, no post de hoje, 5 razões que irão lhe mostrar a importância do inventário de TI para uma empresa e por que ele deve estar sempre atualizado. Acompanhe!

Bônus: Guia completo para implantar um Service Desk na sua empresa

1. Antecipação de problemas técnicos

Recursos de TI costumam apresentar problemas técnicos com determinada frequência, e isso não é nenhuma novidade. O que muitos não sabem é que vários sinais de que esses problemas podem acontecer serão identificados se a empresa realizar o inventário dos seus ativos e mantê-lo atualizado.

No inventário, a empresa consegue identificar gargalos na operação de um determinado equipamento e o status de cada um dos recursos. Isso irá ajudar a evitar paradas repentinas e surpresas desagradáveis.

2. Aumento da vida útil dos equipamentos

Um inventário de TI ajuda a empresa a identificar se equipamentos estão tendo um consumo muito alto ou se estão sendo subutilizados. Esta informação ajuda na alocação dos recursos de maneira correta.

No inventário também é possível registar as manutenções realizadas, tanto corretivas quanto preventivas, facilitando o controle e garantindo que as manutenções estejam sempre em dia, e consequentemente, aumentando a vida útil dos equipamentos.

3. Controle de suporte e garantia

Praticamente todos os softwares e equipamentos, quando comprados, possuem um tempo limitado de garantia e suporte do fabricante.

É fundamental para as empresas que os seus recursos, principalmente aqueles mais importantes para a TI, estejam com seus contratos de suporte sempre ativos, pois, em caso de uma eventual necessidade, pode-se cobrar um tempo de resposta para o suporte do fabricante, previsto no contrato.

No inventário de TI, esse tipo de informação ajudará os gestores a se anteciparem acerca dos vencimentos dos contratos de suporte e garantia, ganhando tempo para atualizar os ativos ou negociar novos acordos.

4. Reconhecimento de softwares maliciosos

Um inventário de TI atualizado em tempo real irá mostrar para os gestores todos os softwares instalados em seus equipamentos. Isso ajuda a empresa a identificar softwares maliciosos que possam ter sido instalados pelos próprios usuários, evitando que se espalhem pela rede, comprometendo a segurança da TI como um todo.

5. Controle de uso

Com um inventário de TI, a empresa passa a ter controle de uso de todos os seus ativos. A ferramenta informa detalhes da configuração de cada equipamento, como memória, processadores e discos. Além disso, mostra o quanto cada um desses recursos está sendo utilizado pelos usuários.

Assim, fica muito mais simples e rápido analisar quais sistemas precisam ser atualizados, qual a frequência das manutenções, e até mesmo identificar comportamentos dos usuários para futuras aquisições.

Este post lhe foi útil? Então, compartilhe-o com seus amigos nas redes sociais!

 

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *