A Indústria 4.0 e o setor de alimentos e bebidas

A 4ª Revolução Industrial ou Indústria 4.0, como é conhecida, é uma realidade também no setor de alimentos e bebidas. Dentro desse novo conceito de produção, toda a cadeia do setor alimentício, do campo até a mesa do consumidor está sendo analisada, controlada e está continuamente evoluindo.

Com essa linha de produção integrada e monitorada em tempo integral, a Quarta Revolução Industrial traz também economia de energia e insumos, uma vez que proporciona mais controle sobre os custos operacionais e evita desperdícios.

Para gestores da área, a Indústria 4.0 proporciona ainda monitoramento a distância e manutenção remota de equipamentos. E permite que o setor de alimentos e bebidas produza com qualidade, segurança, economia e de forma sustentável. Entenda melhor:

O potencial para o Setor Alimentício

No século 20, vimos a fabricação industrial de alimentos permitir que a produção aumentasse em 100 vezes, passando de 100 garrafas produzidas por meios exclusivamente humanos por hora para 10 mil unidades por hora com o auxílio de máquinas. A Indústria 4.0 traz um marco da mesma magnitude na produção mundial.

As novas tecnologias e as novas formas de produzir proporcionam aumento na qualidade, eficiência e rendimento. Além disso, asseguram tempo de inatividade mínimo.


Leia também: Cummins do Brasil implementa sistema de manufatura com apoio da Teclógica


Outra grande vantagem da Indústria 4.0 no setor de alimentos e bebidas é permitir que as organizações controlem seus processos até o menor detalhe de todos. Essa capacidade de mapear cada etapa com antecedência e controlar todos os processos permite que se enfrentem questões mundiais de nível macro, como quebras de safra, alteração de requisitos de segurança alimentar e a mudança das exigências dos clientes.

No nível micro, os fabricantes podem melhorar a distribuição e a utilização de recursos, configurar fluxos de trabalho produtivos e reduzir impacto ambiental.

O compartilhamento de informações sobre os produtos, amplamente facilitado pela Indústria 4.0, atende ainda requisitos de compliance global, que demandam dos produtores dividir informações-chave sobre os alimentos e bebidas com outros elos da cadeia produtiva. Todas as informações estão disponíveis em plataformas virtuais que podem ser acessadas por qualquer stakeholder em tempo real.

A grande integração proporcionada pela Indústria 4.0 permite ainda que se estabeleçam melhores controles de segurança no chão de fábrica. A tecnologia ajuda a identificar momentos ou zonas de perigo e as medidas de segurança adequadas. Os equipamentos podem ser programados para identificar limites críticos e podem ser desenhados para se corrigirem sozinhos.


Leia também:  Teclógica expande portfólio e projeta crescimento de 30%


Qual é o cenário da indústria?

Ainda há muitos outros benefícios da Indústria 4.0 a serem conhecidos com o passar dos anos. Contudo, já podem ser adiantadas boas previsões com o uso dessa Revolução dentro das indústrias. A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) realizou estudo que mostra possibilidade de economia de R$73 bilhões no Brasil com o uso dos conceitos de indústria 4.0.

Dados da McKinsey apontam que, até 2025, a Indústria 4.0, mundialmente, poderá reduzir custos de manutenção de equipamentos entre 10% e 40%, diminuir o consumo de energia entre 10% e 20% e aumentar a eficiência do trabalho entre 10% e 25%.

Haverá também benefícios para o consumidor. No dia a dia, vai ser possível monitorar produtos pelo celular, assim como saber, pelo código da embalagem, de onde veio a matéria prima, como foi transportada até a empresa, como se transformou em produto final e como foi transportada até o ponto de venda.

Vantagens

Entre as principais vantagens da Indústria 4.0 para o setor alimentício, podemos destacar:

  • Redução de custos, energia e matéria-prima por meio do desenvolvimento de sistemas. Operação sem falhas gera menos desperdício e, consequentemente, menos gasto de energia;
  • Criação de novas profissões e profissionais mais qualificados;
  • Aumento da inteligência das empresas com análise precisa de dados;
  • Otimização do uso de recursos naturais e diminuição do impacto de atividade no meio ambiente;
  • Monitoramento e manutenção remota de equipamentos;
  • Segurança por meio de rastreabilidade, que localiza falhas no processo e faz com que os dispositivos os resolvam rapidamente.
  • Possibilidade de personalização e customização dos produtos de acordo com a necessidade do cliente;

Desafios

Para se manter competitivas, as indústrias de alimentos e bebidas precisam estar preparadas para a Quarta Revolução Industrial.

Além disso, é imprescindível contar com parcerias capacitadas para fazer as integrações necessárias entre os equipamentos da linha de produção e os sistemas utilizados.

Outro ponto fundamental da Indústria 4.0 para o setor de alimentos e bebidas é a capacitação da equipe, que precisa ser capaz de se adaptar às mudanças, possuir visão técnica multidisciplinar, com habilidades em mecânica, elétrica e automação, além de olhar para os processos de forma sistêmica. O profissional precisa entender o funcionamento das máquinas e dos processos para interpretar e compilar as informações de forma abrangente e acertada.

O que fazer agora?

O trabalho dos gestores da indústria neste momento é o de ser proativo e aceitar as mudanças, promovendo primeiramente uma mudança cultural no negócio. Buscar parcerias adequadas, que possuam experiência e que possam ajudar nas transformações e na gestão do novo modelo de produção e negócios. Para fazer tudo acontecer, além do maquinário correto e equipe capacitada, são necessários softwares e processos apropriados, que possibilitem a interação entre o todo durante a produção.

A análise avançada da enorme quantidade de dados disponibilizada pela Indústria 4.0 é outro ponto fundamental para enfrentar os novos desafios.

Aqueles que se anteciparem na adoção da Indústria 4.0 no setor de alimentos e bebidas serão aqueles que mais cedo colherão os benefícios dessa nova forma de produção.

 

Alessandro Nunes – Diretor de Serviços da Teclógica

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *