5 maiores desafios na gestão de TI proativa e como superá-los

A criação de uma gestão de TI proativa é apontada por muitos especialistas como uma forma de tornar o ambiente corporativo mais eficaz e com uma quantidade menor de problemas. Em empresas onde isso ocorre, o impacto causado pela interrupção de servidores, queda de sistemas ou falhas de segurança tende a ser menor, uma vez que técnicos conseguirão rastrear pontos que necessitam de atenção com mais agilidade e, assim, aplicar as correções rapidamente.

A gestão de TI proativa vai contra uma rotina de manutenção de software em que os problemas são solucionados apenas após a sua ocorrência. Ela busca identificar problemas rapidamente, de tal forma que o seu impacto na execução de serviços seja o menor possível.

No entanto, a sua adoção pode trazer diversos desafios para a empresa. Quer conhecer os principais? Então, acompanhe nosso artigo!

1. Integração entre os times de suporte e de monitoramento

A integração entre profissionais é uma das chaves para a criação de um ambiente de trabalho com alta colaboração e eficiência. Nesse sentido, gestores devem trabalhar para que todos os profissionais atuem juntos na busca por soluções e troca constante de informações relevantes ao serviço do setor. Isso inclui, em especial, os times de suporte ao usuário e de monitoramento de infraestrutura.

As equipes responsáveis pelas atividades de monitoramento de recursos são fundamentais para a proatividade da gestão de TI. Nesse cenário, sempre que falhas forem identificadas, os profissionais que atuam no suporte devem ser informados. Assim, caso algum usuário seja afetado, o responsável pelo atendimento ao chamado poderá dar um feedback mais preciso.

Em momentos em que serviços forem interrompidos para a troca de equipamentos ou implementação de melhorias, os profissionais responsáveis pelo atendimento de chamados também devem ser notificados. Dessa forma, eles poderão emitir comunicados e planejar ações para auxiliar outros colaboradores a lidarem com as eventuais indisponibilidades de ferramentas.

Vale destacar, também, que os responsáveis pelo suporte devem sempre alertar os técnicos de monitoramento sobre eventuais problemas enfrentados pelos usuários. Assim, eles irão aplicar correções mais facilmente, além de ter uma visão mais ampla do funcionamento dos serviços de TI.

2. Implementação de soluções de monitoramento em uma gestão de TI proativa

A implementação de ferramentas que permitem o monitoramento da infraestrutura de TI é um passo fundamental para qualquer empresa que busca uma gestão de TI proativa. Para que ela ocorra com eficiência, um grande planejamento deve ser realizado, de tal forma que técnicos possam se adaptar rapidamente aos novos softwares. Assim, eles poderão ser aproveitados ao máximo, com um baixo número de erros e problemas causados pela falta de treinamento ou conhecimento da solução utilizada.

A implementação de soluções de monitoramento pode ser feita em várias áreas. Equipamentos de rede podem ser monitorados para a identificação precoce de falhas ou problemas de desempenho. Por outro lado, o acompanhamento contínuo de sistemas corporativos permite a identificação rápida de problemas de disponibilidade, o que reduz o tempo necessário para a restauração de serviços.

3. Adoção de ferramentas de análise de dados

A análise de dados deve ser feita continuamente por empresas que pretendem criar um fluxo de melhoria contínua das suas rotinas de gestão. Os logs criados pelas ferramentas de monitoramento podem ser processados para que gestores de TI consigam identificar padrões, gargalos operacionais e vulnerabilidades que possam impactar no trabalho dos profissionais do setor. Uma vez que problemas tenham sido identificados, medidas devem ser adotadas para solucionar as falhas existentes.

As rotinas de análise de dados também podem servir para que a empresa consiga avaliar o impacto das mudanças feitas. Isso será feito identificando ganhos de produtividade, redução do índice de erros e ampliação do grau de disponibilidade das ferramentas corporativas. Assim, a empresa será capaz de avaliar o sucesso de suas estratégias e como elas foram capazes de melhorar o ambiente corporativo.

Bônus: Guia completo para implantar um Service Desk na sua empresa

4. Treinamento de profissionais e realização de feedbacks

O treinamento de profissionais de TI deve ser feito regularmente. Sempre que novas soluções, rotinas operacionais ou métodos de gestão forem adotados, o gestor deve certificar-se de que todas as novas informações estarão alinhadas entre a equipe. Nesse sentido, o treinamento é uma estratégia simples para tornar a implementação de novas práticas mais eficaz.

Deslocando algumas horas de trabalho regularmente, o gestor de TI pode passar feedbacks, dicas sobre novas ferramentas e auxiliar na resolução de dúvidas. O treinamento pode ser feito com todos os profissionais ou individualmente. Em todos os casos, é importante que seja garantido que todos tenham absorvido o máximo de conhecimento possível, tornando a qualidade das atividades de todos mais nivelada.

5. Equilíbrio entre reatividade e proatividade

O equilíbrio entre reatividade e proatividade é um dos maiores desafios que gestores de TI enfrentam. Uma boa gestão de TI irá, principalmente, agregar valor às atividades do negócio. Diante disso, deve ser mantido um balanço entre as diferentes rotinas de gestão, de tal forma que todas as atividades sejam mantidas com alta qualidade e em um processo de otimização contínua.

Uma gestão de TI altamente reativa terá maior dificuldade para solucionar problemas e, possivelmente, terá um longo prazo de resposta a solicitações simples. Assim, cria-se um ambiente em que incidentes são gerenciados com grande impacto para o funcionamento do negócio. Consequentemente, o número de erros nos processos de troubleshooting tende a ser maior.

Por outro lado, o foco excessivo na proatividade pode aumentar significativamente a carga de trabalho do empreendimento, criando dificuldade na distribuição de tarefas e melhoria nas rotinas. Pequenos e grandes incidentes passam a ser trabalhados com o mesmo grau de prioridade, e, com isso, a carga do setor passa a ser excessiva.

Diante disso, gestores de TI devem buscar o equilíbrio entre os processos proativos e reativos. Todo o setor deve trabalhar com o suporte de uma sólida documentação, ferramentas de alta capacidade e com boa integração. Dessa forma, será possível definir corretamente a prioridade para cada chamado e definir quais sistemas precisam ser monitorados continuamente.

Em longo prazo, uma boa gestão de TI irá alinhar os seus objetivos às estratégias do negócio, auxiliando profissionais a inovarem mais e a criarem serviços de alto valor. Assim, a empresa se manterá competitiva e capaz de gerar um fluxo contínuo de receitas.

E você, como faz para manter o seu setor de TI proativo? Deixe seu comentário e compartilhe conosco as suas técnicas!

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *