Como manter o ambiente operacional em funcionamento com a redundância dos ativos de TI

Paraquedistas profissionais não realizam grandes saltos sem possuírem junto ao corpo um paraquedas sobressalente caso a primeira opção não funcione, mesmo que as chances estatísticas de falha técnica em um paraquedas de boa qualidade sejam praticamente inexistentes. Esse procedimento de segurança, de sempre possuir um item essencial de reserva e preparado para ser acionado prontamente, é chamado de redundância.

No setor da tecnologia da informação, a estratégia é mais do que válida. É importante manter a redundância dos ativos de TI como forma de se resguardar e garantir a continuidade dos negócios em casos de problemas técnicos, como a queda da internet ou falhas no software de controle de caixa.

Conheça melhor o conceito de redundância de ativos de TI e veja alguns exemplos de como ele pode ajudar a evitar prejuízos para empresas dos mais diferentes segmentos!

A importância de contar com a redundância dos ativos de TI

Somos cada vez mais dependentes da computação para realizar diversos processos na vida profissional. Muitas vezes, a simples queda da rede pode levar um supermercado a um estágio de parada forçada das vendas. Hoje, possuir redundância de ativos de TI não é mais luxo, mas sim uma necessidade. Ela garante a confiabilidade ao sistema por meio da duplicação de componentes críticos.

Paradas não planejadas são motivadas principalmente por: falha de hardware ou física em peças importantes, falha de software ou lógica e falha humana. A probabilidade de essas falhas ocorrerem quando investimos em redundância de ativos de TI é minimizada. Nem sempre elas podem ser previstas a tempo de evitarmos que aconteçam, então, é essencial ter “cartas guardadas na manga” no momento em que o imprevisto acontecer.

Nunca foi tão importante para um gestor de TI garantir a continuidade do sistema e de outros ativos de tecnologia da informação. Hoje, eles são essenciais para a evolução e desenvolvimento de uma empresa.

Contudo, sistemas de informação atuais são formados por componentes mecânicos de confiabilidade insuficiente na maioria das vezes. Para evitar paradas não programadas nas atividades comerciais, é importante contar com um sistema de redundância de ativos de TI que entrará em ação automaticamente após um dos componentes principais em utilização falhar.

Sistema de alta disponibilidade

Sistema informático capaz de resistir a falhas de hardware, software e energia. Garante a manutenção das atividades pelo maior tempo possível, para que nem a empresa nem seus clientes e funcionários sejam prejudicados.

Contingência

Essa estratégia também é conhecida pelo nome de Disaster Recovery Plan, ou Plano de Recuperação de Desastres, em tradução livre para a língua portuguesa. É um processo que deve ser acionado em última instância quando todas as redundâncias do sistema falham e a loja precisa ter suas atividades interrompidas.

O objetivo principal de um plano de contingência é reduzir o impacto negativo em caso de grandes problemas técnicos que afetem a continuidade das atividades chave.

Um exemplo simples é o caso de um supermercado. Se algum evento impedir que a empresa realize a vendas de produtos, esse evento é considerado um desastre. Eles podem ser motivados pelas mais diferentes causas, desde o mal funcionamento de algum componente do hardware até catástrofes naturais, como enchentes.

As consequências podem ser desde a interrupção das atividades por algumas horas até danos tão grandes que inviabilizariam a continuidade da empresa. Ter um plano de ação para esses momentos é fundamental para evitar o pior e não cair no desespero.

O processo de preparação de um plano de recuperação de desastres começa pela identificação da causa do problema. Depois, é preciso analisar todas as consequências e priorizar a sua solução de acordo com a gravidade e o nível de impacto nas atividades chave da organização.

Como dito, os desastres podem ter as mais variadas causas e consequências. Por isso, os planos de contingência não são como receitas de ovo frito. Cada cenário exige uma forma de atuação, e as prioridades das empresas variam.

Redundância e backup

Especialistas afirmam que dados são o petróleo do século XXI, já que serão tão importantes para as atividades comerciais nessa época quanto o combustível fóssil foi no século anterior.

Garantir a segurança e o backup dos dados se torna então uma tarefa fundamental para gestores de TI dos mais diferentes segmentos. Entretanto, nem sempre realizar o backup em único local é o suficiente para garantir a segurança das informações.

Existe um velho ditado que diz “Quem tem um, não tem nenhum, e quem tem dois na verdade tem um”. Essa máxima é mais do que válida quando falamos de backup e segurança de dados. Não podemos confiar um bem tão poderoso quanto os dados de clientes, por exemplo, apenas a um único dispositivo, como um HD externo, que também é suscetível a falhas físicas, entre outras.

Quanto mais cópias dos dados em lugares seguros você tiver, menores serão as chances de essas informações se perderem devido a uma combinação de falhas. Entre as opções disponíveis, está a virtualização do banco de dados.

Redundância de link de internet

Imagine a seguinte situação: a internet cai por algum problema técnico do provedor e, de repente, você se vê impedido de trabalhar e se questionando como as pessoas faziam para trabalhar antes da web.

Para evitar esse cenário, é importante investir em links de internet redundantes, ou seja, além da linha de provedor principal, é preciso ter, ao menos, mais uma disponível. Se uma falhar, a outra garantirá a continuidade do acesso à web e das atividades chave que dependem desse ativo.

Para que todo o sistema formado por cluster, redundâncias e backups efetivos opere com eficácia, é preciso atenção aos detalhes das configurações. Soluções estratégicas, como o debugging e o monitoramento efetivo, permitem que pontos críticos, que podem se tornar falhas, sejam identificados antes de impedirem a continuidade das operações de uma empresa.

Ao conversar com um especialista no tema, você poderá aprender mais sobre como realizar a redundância dos ativos de TI.

Conhece outras sugestões de tipos de redundância dos ativos de TI? Ficou com alguma dúvida? Comente no post e vamos desenvolver esse diálogo!

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *